Clínica Hepatogastro

H. pylori: como é feito o diagnóstico e qual o tratamento?

Por Dr. Paolo Rogério de Oliveira Salvalaggio10/03/2021
Tempo de leitura: 3 minutos
Por Dr. Paolo Rogério de Oliveira Salvalaggio
10/03/21
Sumário

A H. pylori é uma bactéria que se instala no estômago e provoca sintomas como dor e desconforto abdominal. Seu diagnóstico pode ser feito por exames de fezes, teste respiratório e endoscopia, e o tratamento, à base de antibióticos e inibidores de bomba de próton.

A Imagem Mostra Uma Ilustração Da Bactéria H. Pylori.
H. Pylori: Como É Feito O Diagnóstico E Qual O Tratamento? 2

A H. pylori, ou Helicobacter pylori, é a principal causadora de gastrite e úlceras gástricas. Essa bactéria se instala na mucosa superficial do estômago desencadeando um processo inflamatório. Isso se dá porque ela produz amônia para se proteger contra a acidez estomacal e penetrar a camada da mucosa.

Por isso, sua presença no estômago provoca as complicações que citamos, podendo ser em todo o órgão ou apenas na parte inferior dele. De toda forma, a H. pylori pode aumentar o risco de desenvolver câncer de estômago.

A boa notícia é que ela pode ser diagnosticada e tratada. Nós preparamos este artigo para que você saiba como isso é feito. Continue lendo e veja:

Veja também: O que é Cirrose Hepática?​

Como é feito o diagnóstico da H. Pylori?

O especialista pode solicitar, por exemplo, um teste de antígeno fecal (coleta de fezes), que identifica a presença da bactéria na amostra colhida. Existe tambem um exame de sorologia (sangue) e um teste respiratório (onde se sopra em um saco plastico), para verificar a presença de carbono dióxido nas amostras expiratórias.

Outras técnicas também muito eficientes para fazer o diagnóstico da H. pylori são os exames endoscópicos, que permite visualizar todo o estômago e, se necessário, fazer uma biópsia; e o teste de uréase, que também faz análise de pequenos fragmentos da mucosa gástrica.

Quais problemas essa bactéria no estômago pode causar?

A infecção por H. pylori é bastante comum, e o risco de contrair essa bactéria aumenta conforme a idade avança. A estimativa é de que até os 60 anos de idade 50% das pessoas serão infectadas por essa bactéria.

O maior problema é que ela libera amônia para conseguir sobreviver ao ambiente ácido que é o estômago. Essa mesma substância provoca lesões na mucosa dele, com isso, se manifestam processos inflamatórios, levando a quadros de gastrite e úlcera péptica.

A H. pylori provoca as gastrites crônicas, e por causa das lesões estomacais, aumenta o risco de desenvolver câncer de estômago em longo prazo. Tudo isso porque essa bactéria provoca uma elevação na produção do ácido gástrico, afetando as defesas naturais da mucosa estomacal.

Como é feito o tratamento para H. pylori?

Uma vez diagnosticada a presença da H. pylori no estômago, o tratamento mais comumente adotado é o medicamentoso. São administradas substâncias antibióticas junto com inibidores da bomba de prótons, como:

  • lansoprazol;
  • omeprazol;
  • tetraciclina;
  • subsalicilato de bismuto;
  • amoxicilina;
  • metronidazol;
  • claritromicina.

O objetivo é conter a infecção eliminando a bactéria, ao mesmo tempo, controlar a produção do ácido estomacal para possibilitar a cicatrização das feridas que foram abertas, reduzindo o processo inflamatório.

O tratamento da H. pylori desencadeia efeitos colaterais ligados aos medicamentos administrados, podendo provocar desconfortos como:

  • dor de cabeça;
  • diarreia;
  • obstipação;
  • náuseas;
  • alterações do paladar;
  • escurecimento das fezes e da língua.

Tudo isso depende da sensibilidade do organismo da pessoa, bem como dos efeitos provocados pelas substâncias que foram adotadas para o tratamento.

Dr. Marcos Paulo Gouveia de Oliveira | Hepatogastro

Dr. Paolo Rogério de Oliveira Salvalaggio

CRM: 143673 | RQE : 58423 - Cirurgia do aparelho digestivo
O Dr. Paolo Rogério de Oliveira Salvalaggio é Mestre e Doutor em Cirurgia. Pós-doutorado e Fellow nos Estados Unidos. Especialista em Cirurgia Digestiva e Videocirurgia. Atua como cirurgião do aparelho digestivo, com ênfase em cirurgia de fígado, pâncreas e vias biliares.
Acessar currículo

Compartilhe nas redes sociais:

TAGS:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Sinto muito incômodo depois de me alimentar, uma sensação de estômago pesado e com dificuldade em arrotar, uma sensação estranha que quando deito me sinto mal e da palpitações, não sinto dor, mas fica desconfortável e aquele estufamento.

  2. Obg pelo a dicas eu fes o exame e deu essa bactéria vou começa com o tratamento com os remédios ai depois vou repetir o exame né pra ver si saiu a bactéria.

  3. Muito esclarecedor todas as informações aqui contidas!!!

    Obrigado a todos por compartilhar essa informação de muita importância!!!

  4. Gostei muito de consultar essa página foi de muito interesse para mim pois sofro com dores no estômago e tomo omeprazol mas ainda não sei o que tem pretendo ir ao médico

    1. Carlos, não deixe de consultar seu médico, é muito importante manter os exames de rotina em dia!

  5. Estou com gastrite crônica. Mas, como já fiz o exame de H pylori várias vezes e sempre deu negativo, na última vez que fui ao gastro, me recusei a fazer o exame. Estou certa ou errada?

    1. Maria Lucia, é importante sempre manter os exames em dia para evitar futuros problemas.

  6. Boa tarde me chamo dejanira e no ano passado fui diagnósticada duas vezes com essa bactéria H pylori hj dia 14 de agosto 2023 fiz a endoscopia e novamente estou com essa bactéria. Ressalto que fiz o tratamento certinho com o especialista. Novamente marquei consulta com o especialista de novo.

    1. Olá Dejanira, sentimos muito que você esteja passando por isso novamente. Mas mantenha sempre consultando o especialista e seguindo as recomendações.

  7. A minha esposa fez tratamento, mais continua a sentir dor. O que devemos fazer? Será que devemos repetir a dose ou voltar no Doutor pra fazer o diagnóstico.

    1. Olá João Lucas. É importante que o paciente nunca se automedique. Caso tenha ficado alguma dúvida ou o tratamento não tenha sido eficaz, é imprescindível o retorno ao profissional que fez o diagnóstico.

teste

Desenvolvido por Surya Marketing Médico.

Clínica Hepatogastro © 2024 Direitos reservados
Última atualização: 11/04/2024 às 16:40
Ligue para agendar
Agende sua Consulta
magnifiercross