Clínica Hepatogastro

Pancreatite: o que é?

Você sabe o que é a pancreatite? Confira o que é esse problema que afeta o pâncreas, conheça os seus diferentes tipos e ainda entenda as complicações que pode causar.
Ao Fundo Da Imagem, Há Uma Ilustração Do Tronco De Um Humano, Onde O Pâncreas Está Destacado Em Vermelho E Amarelo.
Pancreatite: O Que É? 2

O pâncreas fica localizado atrás do estômago na porção superior da barriga. É uma glândula que participa do processo digestivo dos alimentos, liberando para se juntarem à bile a fim de digerir os alimentos.

Também é o pâncreas que libera os hormônios glucagon e insulina na corrente sanguínea, para equilibrar a glicose ingerida por meio dos alimentos.

Neste artigo falaremos sobre a pancreatite, uma inflamação que afeta o pâncreas. Continue lendo para entender por que ela se manifesta, conhecer os seus diferentes tipos e formas de tratamento.

Sobre a pancreatite

Pancreatite é um processo inflamatório no pâncreas. Essa inflamação se manifesta, principalmente por pela formação de cálculos biliares e pelo consumo excessivo, prolongado e recorrente de bebidas alcoólicas. Existem dois tipos de pancreatite: a aguda e a crônica.

Pancreatite aguda

A pancreatite aguda é uma inflamação que acontece de forma súbita, sendo mais comum que ela se manifeste por cálculos biliares, pequenas pedras decorrentes de alterações na composição da bile. Elas inflamam o pâncreas quando passam pelo ducto biliar.

Esse processo inflamatório também está relacionado ao consumo de álcool, sendo que pode se manifestar poucas horas ou até 2 dias depois da ingestão de bebidas alcoólicas. Além disso, pode ser causado por infecções, trauma abdominal, alguns medicamentos, problemas genéticos do pâncreas e tumores.

Pancreatite crônica

No caso da pancreatite crônica, trata-se de uma inflamação com uma duração mais longa. Ela resulta da deterioração da estrutura do pâncreas, interferindo em suas funções. Essa deterioração não pode ser revertida.

O consumo excessivo e prolongado de álcool é apontado como principal causa da pancreatite crônica, juntamente com o tabagismo. Esse problema ainda pode ocorrer, mas com menos frequência, em decorrência de doenças genéticas como a fibrose cística e a pancreatite autoimune ou hereditária. A obstrução do ducto pancreático por cálculos também é uma das suas causas.

Sintomas e complicações da pancreatite

Em uma pessoa cujo organismo funciona perfeitamente, as enzimas liberadas pelo pâncreas são ativadas somente quando atingem o intestino delgado. No entanto, quando há uma inflamação nessa glândula, essas enzimas que se encontram em seu interior atacam e lesionam os tecidos responsáveis por produzi-las.

Por isso, tanto a pancreatite aguda quanto a crônica são condições perigosas para a saúde. De toda forma, a manifestação aguda dessa doença é preocupante porque pode fazer o paciente entrar em choque, havendo necessidade de ser tratado na unidade de terapia intensiva. Nas formas mais graves da doença, a glândula pode ficar infeccionada ou necrosada, sendo preciso fazer uma cirurgia para retirar esse material doente.

Outras complicações da pancreatite aguda são a desidratação e a pressão baixa. Também pode ocorrer falhas no funcionamento dos rins, coração e pulmões, além de hemorragia no pâncreas que, nesse caso, pode até mesmo levar o indivíduo à morte.

Por isso, é muito importante ficar atento aos sintomas que podem indicar uma inflamação em curso no pâncreas. Geralmente o indivíduo percebe uma dor na parte superior do abdômen, que pode irradiar para o dorso. Ela se manifesta de forma gradual ou súbita. No início é menos intensa, mas tende a ficar pior após a ingestão de alimentos e pode durar por dias.

Outros sintomas desencadeados pela pancreatite são:

  • sensibilidade abdominal;
  • distensão do abdômen;
  • febre;
  • náuseas e vômitos;
  • pulso acelerado.

É interessante saber que não existe uma medicação que seja capaz de combater a pancreatite. Assim, a intervenção é feita por meio da internação hospitalar para manter o paciente hidratado com soro por via intravenosa e mantendo jejum. É preciso repouso para que a inflamação regrida sozinha, o que acontece em cerca de 80% dos casos.

Porém, nos outros 20% a pancreatite evolui para sua forma mais grave, podendo acumular liquido ao redor do pâncreas, levar a alterações de outros órgãos como rins e pulmões, com risco importante de vida. Daí a importância de identificar esse problema ainda no começo e buscar o quanto antes ajuda médica.

Matenha hábitos saudáveis: adote uma dieta nutritiva e evite o consumo excessivo de álcool, bem como o tabagismo. Faça exames frequentes e em caso de diagnostico de pedra na vesícula procure um médico especialista.

O que achou desse post? Deixe sua opinião nos comentários, e compartilhe!

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

 | 07 / 10 / 20
Você sabia que existem dois tipos diferentes de pancreatite? Veja quais são eles, as suas características e ainda descubra como são tratados.
Ler Mais
 | 07 / 08 / 17
No post de hoje vamos discutir sobre quais sintomas podem ser um alerta para uma doença no pâncreas. Confira!
Ler Mais
Clínica Hepatogastro
Redes Sociais
Av. Presidente Juscelino
Kubitschek, 1545 conj. 31
Itaim – São Paulo/SP
(11) 3437-3228
Rua José Janarelli, 199
conj 105 – Morumbi-SP
(11) 3721-1300
Atenção: O site  www.hepatogastro.com.br  é um espaço que visa melhorar o acesso dos pacientes a informações importantes sobre saúde. Não deve ser utilizado como um substituto de uma avaliação completa, durante consulta médica.

Clínica Hepatogastro© 2021 Direitos Reservados – Desenvolvido em WordPress por SuryaMKT

Última atualização: 17/07/2021 às 15:05
Top