Clínica Hepatogastro

Como se preparar para a Cirurgia Bariátrica?

Atualizado em 26/01/2022
Tempo de leitura: 5 min.
Por Dr. Paolo Rogério de Oliveira Salvalaggio
 | 
19/01/22

A cirurgia bariátrica é indicada para a redução de peso em pacientes com obesidade grave. Nela, o sistema digestivo é alterado para diminuir a quantidade de alimentos absorvidos e, consequentemente, levar a perda de peso.

Como Se Preparar Para A Cirurgia Bariatrica Hepatogastro Bg 1
Como Se Preparar Para A Cirurgia Bariátrica? 2

Também conhecida como redução do estômago, a cirurgia bariátrica, ou gastroplastia, é indicada para. Pessoas com o IMC acima de 35 kg/m 2 que tenham outras complicações de saúde associadas ao aumento do peso ou aquelas com IMC acima de 40 kg/m 2 que por dois anos não obtiveram sucesso na perda de peso com o tratamento clínico, incluindo o uso de medicamentos. Em casos selecionados, pacientes com diabetes de difícil controle e com IMC acima 30 kg/m² também podem se beneficiar com a realização da cirurgia. 

Continue lendo para saber tudo sobre essa cirurgia, como ela é feita, como se preparar, os tipos de bariátrica, entre outras informações.

Quais são os Tipos de Bariátrica?

Em todos casos, os procedimentos podem ser feitos de forma minimamente invasiva, seja por laparoscopia ou com auxílio da do robô, através de pequenos orifícios no abdômen.

Os tipos de bariátrica podem variar e a decisão de qual procedimento será feito deve ser em conjunto com o médico após avaliação do caso. Conheça cada um deles:

  • Banda Gástrica: consiste em colocar uma banda, em formato de anel, ao redor do estômago. Ela é ajustável e pode ser apertada ou aliviada conforme necessário e tem a finalidade de restringir o volume da dieta. Devido resultados limitados, praticamente não é mais realizada
  • Bypass Gástrico: o bypass é a cirurgia padrão atualmente. Nele, o médico diminui consideravelmente o tamanho do estômago e depois liga o intestino à porção restante dele;
  • Gastrectomia Vertical: conhecida também como sleeve ou manga, é o método que corta e retira apenas uma parte do estômago, sem alterar o intestino; é o procedimento mais realizado em países como os Estados Unidos
  • Derivação Biliopancreática: nesse procedimento é retirado uma parte do estômago e feito um desvio que exclui a maior parte do intestino delgado. Esse desvio faz com que o alimento e os sucos digestivos se encontrem somente no final do intestino, inibindo a absorção de calorias. Por dificultar muito a absorção da dieta, é raramente realizada em casos selecionados.
  • Bipartição de Trânsito Intestinal: cirurgia idealizada por um brasileiro, se consiste em uma gastrectomia vertical associada a um desvio parcial do trânsito alimentar. Desta forma, uma parte do alimento segue o caminho normal, mantendo a absorção de vitaminas e nutrientes, e o restante entra rapidamente no intestino delgado, diminuindo a absorção de calorias e melhorando a resposta metabólica do paciente. Ainda é pouco realizada, porém com resultados promissores. 

Preparativos para a Cirurgia Bariátrica

O passo fundamental é a avaliação e o acompanhamento multidisciplinar, ou seja, de médicos e profissionais de diferentes áreas. 

Por conta disso e também para garantir a saúde do paciente, o candidato à cirurgia deve seguir um fluxo determinado  antes de realizar a bariátrica. São eles:

  • Exames completos de todas as funções do organismo: para buscar qualquer tipo de risco que a cirurgia possa oferecer ou outra doença que deva ser tratada antes de realizar o procedimento;
  • Avaliação psicológica e/ou psiquiátrica: nesse momento, são avaliados transtornos como a depressão, ansiedade e compulsão alimentar. A avaliação psicológica antes da cirurgia é obrigatória e caso necessário, o acompanhamento com o profissional também.

    Algumas condições mentais precisam ser tratadas antes de realizar a bariátrica, pois podem prejudicar ou dificultar o processo de emagrecimento e manutenção de benefícios que o procedimento traz. Alguns distúrbios como abuso de álcool e depressão grave contra indicam a cirurgia até que sejam devidamente tratados.
  • Consulta com Nutricionista: a orientação nutricional antes da cirurgia prepara o paciente para o acompanhamento que será feito após o procedimento, além de promover uma reeducação alimentar que possibilite a perda de peso sem perder nutrientes.
  • Consulta com Cardiologista: este profissional avalia a saúde do coração e o risco de problemas cardiovasculares relacionados à obesidade no período da cirurgia. Geralmente serão necessários exames adicionais para esta avaliação.

Caso seja observado algum problema que impeça o paciente de seguir com a cirurgia, ela é adiada para que a doença seja tratada primeiro.

A bariátrica pode ser contra indicada em casos de:

  • Pacientes que têm alta tendência a não seguir as recomendações pós-operatórias, bem como o acompanhamento médico;
  • Limitação intelectual importante em pacientes sem suporte familiar adequado;
  • Pacientes com depressão endógena, alcoólatras e usuários de drogas;
  • Crianças, adolescentes e gestantes, exceto em situações especiais;
  • Pacientes com hérnia volumosa, hipertensão portal com varizes esofágicas, doenças imunológicas ou inflamatórias do trato digestivo com alto risco de sangramento;
  • Pacientes com doença cardiopulmonar severa;
  • Síndrome de Cushing devido à hiperplasia da supra renal não tratada e alguns tumores endócrinos.

Quais são as vantagens da cirurgia bariátrica?  

Além da significativa perda de peso, a cirurgia bariátrica pode ajudar no controle, prevenção e, em muitos casos, melhora de outras doenças relacionadas à obesidade, como:

  • Hipertensão arterial;
  • Diabetes;
  • Insuficiência cardíaca;
  • Colesterol alto;
  • Asma;
  • Insuficiência respiratória;
  • Doença renal;
  • Artrose e artrite;
  • Dor nas costas.

Além das vantagens físicas, os pacientes também apresentam melhoras nos quadros depressivos e na mobilidade física, interagem mais socialmente e aumentam a autoestima.

Como é o Pós-Cirúrgico da Cirurgia Bariátrica? 

A alimentação é um processo fundamental durante todo o processo da cirurgia bariátrica. Por isso, no pós-operatório não seria diferente

Logo após o procedimento, o paciente passará por um momento de adaptação e ficará sob uma dieta líquida restrita. As quantidades serão definidas pela nutricionista responsável pelo caso.

Esse momento é importante para cuidar do processo de cicatrização da cirurgia e para preservar a massa muscular do paciente, fazendo com que ele perca predominantemente gordura. 

A suplementação de vitaminas é essencial para o paciente e é importante para evitar doenças como anemia, fraqueza, dores musculares e fraqueza óssea. Por isso, é importante seguir todas as orientações indicadas pelo nutricionista. 

Nos primeiros meses após a bariátrica é comum sentir um pouco de desconforto ao ingerir alguns alimentos. Comer pausadamente, mastigar devagar e em pequenas quantidades são dicas para evitar esse incômodo. 

Alimentos açucarados, gordurosos e calóricos podem causar a síndrome de dumping, que acontece quando o alimento passa rapidamente do estômago para o intestino. Os sintomas desse quadro envolvem mal-estar, suor, enjoo e coração disparado. 

O tipo de bariátrica também deve ser levado em consideração no período de recuperação, na velocidade de perda de peso e na adaptação alimentar.

Lembre-se que é importante manter um acompanhamento médico para avaliar o sucesso do procedimento. 

Possíveis Riscos da Bariátrica 

Assim como qualquer procedimento, a cirurgia bariátrica envolve riscos, que estão ligados à gravidade das doenças da obesidade do paciente. 

Porém, esses riscos são muito baixos, comparados com os benefícios que se pode obter do procedimento. 

As principais complicações são:

  • Embolia pulmonar (entupimento de um vaso sanguíneo do pulmão, que causa dor intensa e dificuldade de respirar);
  • Sangramento interno no local da operação;
  • Fístulas (vazamentos dos pontos internos da região operada);
  • Vômitos, diarreia e fezes com sangue.

Além disso, a absorção dos nutrientes é reduzida devido ao desvio intestinal e o contato reduzido dos alimentos no intestino. Por isso, é comum pacientes apresentarem anemia, deficiência de ácido fólico, cálcio e vitamina B12. Em casos mais graves, também pode acontecer a desnutrição. 

É importante lembrar que mulheres que passaram pela bariátrica devem esperar no mínimo 18 meses para poderem engravidar. A perda de peso excessiva após a cirurgia pode prejudicar a saúde e desenvolvimento do bebê caso engravide antes do recomendado, além de limitar os resultados do procedimento

Se você está passando pelo processo preparatório da cirurgia bariátrica ou conhece alguém que está iniciando o procedimento, não deixe de compartilhar esse texto!

Sobre o(a) Autor(a)
O Dr. Paolo Rogério de Oliveira Salvalaggio é Mestre e Doutor em Cirurgia. Pós-doutorado e Fellow nos Estados Unidos. Especialista em Cirurgia Digestiva e Videocirurgia. Atua como cirurgião do aparelho digestivo, com ênfase em cirurgia de fígado, pâncreas e vias biliares.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

 | 03 / 03 / 22
A cirurgia bariátrica não deve ser realizada em algumas situações. Descubra quais são as contra indicações desse procedimento.
Ler Mais
 | 23 / 02 / 22
Você sabia que existe diferença nas técnicas disponíveis para a realização da cirurgia bariátrica? Veja quais são essas diferenças entre o Bypass e o Sleeve.
Ler Mais
1 2 3 21

Clínica Hepatogastro© 2022 Direitos Reservados – Desenvolvido por Surya Marketing Médico.

Última atualização: 24/05/2022 às 18:15
Agende sua Consulta
magnifiercross