Entenda como é feita a Biópsia Hepática

Por Dr. Marcos Paulo Gouveia de Oliveira
Sumário

Sabemos que o fígado pode ser acometido por doenças como hepatites virais, doenças autoimunes e cirrose. E para saber o grau de comprometimento e determinar a melhor forma de tratamento, é necessária uma análise mais precisa do órgão por meio de uma biópsia hepática.

Entenda Como E Feita A Biopsia Hepatica Clinica Hepatogastro Bg
Entenda Como É Feita A Biópsia Hepática 2

Falaremos mais sobre esse assunto neste artigo. Continue nos acompanhando para entender como funciona a biópsia hepática!

Qual a função da biópsia hepática?

A biópsia hepática tem como objetivo analisar, por meio de um microscópio, as estruturas internas do fígado. Desta forma, é possível verificar a presença de cicatrizes ou inflamações provocadas pela cirrose.

Podemos dizer que esse é um exame complementar, que ajuda a diagnosticar possíveis alterações no fígado e tecidos hepáticos, sendo eficaz também no diagnóstico de hepatites virais do tipo B e C, avaliando o grau da doença para definir o melhor tratamento.

Biópsia hepática: quando é necessária?

Conforme dissemos, a biópsia hepática é solicitada quando existem suspeitas de alterações no fígado, portanto, não é considerada como um simples exame de rotina e não faz parte da análise comum do sangue.

A biópsia também é necessária quando outros exames já foram realizados anteriormente e acusaram alguma anomalia no órgão, porém sem uma origem definida. Assim sendo, então, essa técnica ajuda os médicos a obterem um diagnóstico ainda mais preciso.

Tipos de biópsia hepática

Existem dois tipos principais de biópsia hepática, sendo eles:

  • Biópsia hepática por punção (guiada por exame de imagem);
  • Biópsia cirúrgica (visualização direta)

Basicamente, na biópsia hepática por punção é feita a coleta de fragmentos pequenos do fígado para que sejam encaminhados a um laboratório, onde serão avaliados pelo microscópio.  

Para a realização desse procedimento, os médicos utilizam uma agulha especial e a introduzem na pele do paciente, até que alcance a região. É um procedimento que exige anestesia local ou sedação.

O aparelho de ultrassom é utilizado para localizar de maneira correta o órgão e guiar a agulha, que por ser oca leva consigo o fragmento.

Após todo esse processo, o paciente deve permanecer algumas horas em observação. Em seguida, é liberado para retornar para a casa, mas precisa estar atento a sinais de alarme como dor forte, fraqueza e sensação de desmaio, para evitar complicações.

Na biópsia cirúrgica, o cirurgião aproveita a realização de algum outro procedimento abdominal invasivo para um pequeno fragmento do órgão, proporcionando um material maior e melhor para o patologista avaliar. Outra vantagem é que o médico pode retirar um pedaço da parte mais alterada ou de algum nódulo visualizado diretamente e, com isso, diminuir a chance do exame ter um resultado errado. 

Vale ressaltar que a biópsia, ou estudo anatomopatológico como é chamado, é o exame padrão para classificar o grau de fibrose do fígado, mas também auxilia em identificar a causa em casos de diagnóstico difícil ou duvidoso.

Outras formas de avaliar a fibrose hepática: Fibroscan

Se a biópsia por punção é realizada por agulhas e acaba expondo o paciente a um possível sangramento e desconforto, na avaliação da fibrose realizada por Fibroscan os incômodos são bem menores.

O Fibroscan é um equipamento muito parecido com o ultrassom, mas apresenta uma tecnologia bem moderna, permitindo analisar maiores detalhes do fígado. Com ele é possível dispensar a biópsia por punção em diversos casos, permitindo que os médicos entendam mais a fundo as alterações do fígado do paciente.

Com relação às vantagens, essa técnica possibilita que o diagnóstico de cirrose seja obtido sem que o paciente sinta muita dor ou precise ficar em observação. Não existe a necessidade de anestesia ou sedação, portanto, não é um exame invasivo e não oferece riscos de complicações, proporcionando um diagnóstico mais rápido e seguro.

Você já conhecia a biópsia hepática ou o fibroscam? Já precisou realizar o exame alguma vez? Qual a técnica utilizada?

Deixe um comentário abaixo e compartilhe o conteúdo de hoje!

Dr. Marcos Paulo Gouveia de Oliveira | Hepatogastro

Dr. Marcos Paulo Gouveia de Oliveira

CRM: 174843 | RQE : 94248 - Cirurgia do aparelho digestivo
O Dr. Marcos Gouveia tem foco em Cirurgia Bariátrica e Metabólica, além de procedimentos minimamente invasivos do estômago, intestino e de hérnias da parede abdominal.

Compartilhe nas redes sociais:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

teste

Entendendo a importância dos exames de sangue: o que os resultados podem revelar sobre a saúde do fígado

27/06/2024
Os exames de sangue são cruciais para avaliar o fígado, detectando precocemente problemas como hepatite e cirrose. Entenda a importância desses exames, os tipos específicos para o fígado e como manter este órgão saudável com uma dieta equilibrada e hábitos saudáveis. Entenda mais sobre esse assunto lendo o texto abaixo! Os exames de sangue são […]
Leia mais

É possível uma pessoa magra ter esteatose hepática?

21/05/2024
A Esteatose Hepática, também conhecida como fígado gorduroso, é uma condição em que há acúmulo excessivo de gordura nas células do fígado. Esta condição pode ser assintomática, mas quando não tratada, pode levar a complicações sérias.  No post de hoje, falaremos sobre a relação entre a Esteatose Hepática e os aspectos metabólicos do organismo humano. […]
Leia mais

Desenvolvido por Surya Marketing Médico.

Clínica Hepatogastro © 2024 Direitos reservados Atualizado em: 01/06/2022
magnifiercross