Dr. Paolo Rogério de Oliveira Salvalaggio
 Cv Lattes   Google Scholar

Como funciona o pós-operatório da cirurgia de refluxo gastroesofágico?

A cirurgia de refluxo gastroesofágico é o tratamento adotado quando medidas conservadoras não foram suficientes para minimizar o problema. No pós-operatório são necessários cuidados especiais com a alimentação para evitar desconfortos na hora de comer.

A imagem mostra uma médica fazendo anotações.

Inicialmente o refluxo gastroesofágico é tratado por meio de medidas conservadoras. Elas envolvem a mudança dos hábitos alimentares e outros, assim como a administração de medicamentos. Porém, quando essas terapias são ineficientes, o paciente é candidato à realização da cirurgia.

Ela é feita com o objetivo de corrigir possíveis problemas no funcionamento da válvula esofágica, ou então para tratar a hérnia de hiato, uma das principais causas do refluxo. Pode ser realizada por meio da técnica aberta ou laparoscópica.

Independentemente da técnica adotada, são necessários cuidados no pós-operatório, em especial no que se refere à alimentação. Isso porque o paciente pode sentir um pouco de dificuldade ou desconforto na hora de se alimentar.

Quer saber mais sobre esse assunto? Então continue lendo e confira:

1- O que esperar do pós-operatório da cirurgia fluxo de refluxo
2- Cuidados com a alimentação durante o pós-operatório
3- Possíveis riscos da cirurgia de refluxo

O que esperar do pós-operatório da cirurgia de refluxo

Como explicamos, a cirurgia de refluxo gastroesofágico pode ser realizada pela técnica aberta, ou seja, quando o cirurgião faz uma incisão no abdômen do paciente; mas existe uma técnica menos invasiva, realizada com auxílio do laparoscópio.

A diferença é que a técnica laparoscópica tem um grau de invasividade menor, por isso, o pós-operatório é mais tranquilo para o paciente. Sua recuperação acontece mais rápido e as cicatrizes são bem menores, favorecendo a estética.

O tempo de internação após o procedimento dura cerca de 24 a 48 horas, depois se iniciam os cuidados em casa. Eles envolvem a troca de curativos e a boa higienização do local operado, com o objetivo de evitar inflamações ou infecções.

Também é necessário administrar corretamente os medicamentos indicados pelo especialista. São eles que vão ajudar a controlar a dor e reduzir o risco de complicações. Em cerca de uma semana é necessário fazer o retorno para primeiro acompanhamento e retirada de pontos.
A volta às atividades rotineiras acontece de forma gradativa e de acordo com a recuperação de cada paciente. Quando a técnica é laparoscópica esse período costuma ser menor. De toda forma, alguns cuidados necessários para todos são:

  • manter repouso relativo nos primeiros dias;
  • evitar dirigir enquanto houver dor;
  • evitar esforço e atividades intensas;
  • não carregar pesos.

Cuidados com a alimentação durante o pós-operatório

É esperado que após a cirurgia de refluxo gastroesofágico ocorra um inchaço temporário (edema) no esôfago. Sua consequência é o estreitamento do canal desse órgão, o que dificulta os alimentos chegarem até o estômago.

Geralmente esse edema dura cerca de 30 dias, por isso, nesse período será necessário fazer algumas adequações alimentares. Elas são importantes para que o esôfago não tenha dificuldade de conduzir os alimentos, prevenindo dores e desconfortos na hora de comer.

Durante o pós-operatório da cirurgia de refluxo gastroesofágico é recomendado adotar uma dieta líquida ou pastosa. Ela inclui opções como:

  • suco de fruta;
  • leite;
  • purê de legumes;
  • cremes;
  • vitaminas;
  • mingau;
  • gelatina;
  • sorvete.

Perceba que nenhum desses alimentos causa grande resistência para ser deglutido. Assim, o esôfago terá mais facilidade para realizar os seus movimentos e o organismo gradativamente se acostuma com a sua nova condição. Principalmente quando uma válvula foi confeccionada cirurgicamente.

Depois que o inchaço regredir, os alimentos sólidos devem ser introduzidos lentamente na dieta. É importante respeitar a tolerância de cada pessoa e não se esquecer de mastigar muito bem, porque uma boa maceração facilita o trabalho do esôfago.

Outra recomendação importante é fazer as refeições com calma, justamente para não ter pressa na hora de mastigar. Fracionar essas refeições é interessante para que sejam ingeridas pequenas quantidades ao longo do dia, estimulando ainda mais a recuperação das estruturas operadas.

Possíveis riscos da cirurgia de refluxo

As inflamações e infecções são dois riscos possíveis em todo o tratamento cirúrgico, e não é diferente na cirurgia de refluxo gastroesofágico. Outra possível complicação é a intolerância a bebidas gaseificadas.

Isso geralmente acontece com pacientes que precisaram da confecção de uma nova válvula, porque ela funciona de uma forma diferente da natural. Em alguns casos, dificulta a eliminação do excesso de gases deglutidos.

Também é natural a perda de peso durante esse período, consequência das mudanças na dieta para readequação do sistema digestivo. Mas todo e qualquer desconforto deve ser relatado ao médico, principalmente se ocorrer:

  • dor intensa;
  • febre acima de 38 graus;
  • presença de sangue ou pus no local operado;
  • falta de ar;
  • dor abdominal;
  • náuseas e vômitos.

Para garantir um pós-operatório tranquilo na cirurgia de refluxo gastroesofágico é importante que ela seja realizada por um cirurgião experiente. Se for possível, prefira a técnica laparoscópica, por ser menos invasiva e favorecer a recuperação.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Agendar Consulta.