Dr. Paolo Rogério de Oliveira Salvalaggio
 Cv Lattes   Google Scholar
CRM: 143673 SP
Atualizado em 10/08/2020 Atualizado em 10/08/2020

Por que ficamos com Ressaca?

O álcool é uma das drogas mais consumidas em todo o mundo. Os mais recentes dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) mostram que cerca de 30% dos homens e 10% das mulheres no Brasil consomem álcool em excesso pelo menos uma vez por semana. Além disso, quase 80% dos jovens consomem bebidas alcoólicas regularmente.

A ressaca é um conjunto de sintomas da intoxicação que acontece quando é ingerida alta quantidade de álcool. Para absorver e metabolizar a substância, o organismo tem que se desdobrar e, assim, acaba sobrecarregando todos os órgãos envolvidos no processo. O fígado é o que mais sofre, apesar de ele mesmo nunca doer. É desse órgão o trabalho principal de produzir as enzimas que absorvem o etanol. Os sintomas são: dor de cabeça, desidratação, enjoo, diarreia e extremo cansaço.

Quando se ingere uma substância qualquer, como alimentos, bebidas, e remédios, ela passa basicamente por três estágios: digestão, absorção e metabolização pelo fígado. Todo alimento que é absorvido pelo trato gastrointestinal obrigatoriamente passa pelo fígado antes de alcançar qualquer outro órgão. Isso vale para alimentos, álcool, remédios, drogas, entre outros. O fígado é um centro de tratamento das substâncias ingeridas. A maior parte do que é ingerido só chega à circulação sanguínea central depois de ter sido processado pelo fígado.

Como o fígado humano não produz uma enzima que neutralize diretamente o álcool, ele primeiro o transforma em acetaldeído, e depois em ácido acético, que é um metabólito não ativo e não tóxico. O problema é que o acetaldeído é uma substância ainda mais tóxica que o próprio álcool. Portanto, até que o fígado transforme o acetaldeído em ácido acético, o organismo lida com duas substâncias tóxicas.

A ressaca não tem cura, portanto não existe remédio que impeça a intoxicação causada pela ingestão de álcool. Os analgésicos, antiácidos ou anti-histamínicos só ajudam a diminuir o mal-estar.

Uma maneira de evitar a ressaca é beber devagar e depois de ingerir alimentos ricos em proteínas e carboidratos, o que diminui a velocidade de absorção de álcool pelos intestinos, dando tempo para o fígado metabolizar o álcool que vai sendo consumido. O ideal é comer antes de começar a beber.

Beber muita água antes, durante e depois de consumir álcool, talvez seja a melhor dica. E toda vez que você for ao banheiro urinar, beba algo não alcoólico, seja água, suco ou refrigerantes (com açúcar de preferência).

× Agendar Consulta.