O que é uma cirurgia de alta complexidade?

A etimologia do termo cirurgia remonta ao vocábulo latim chirurgĭa, que, por sua vez, tem origem grega. A cirurgia é o ramo da medicina que se dedica a curar as doenças por meio de operações.

Procedimentos de alta complexidade são cirurgias que exigem tratamentos diferenciados. Além do alto grau de especialização médica e das equipes de apoio, conta também com equipamentos e materiais de última geração.

Mas o que isso quer dizer? Significa que o local onde será realizada a cirurgia, está pronto para atender os pacientes que apresentam patologias ou condições que afetam a sua saúde sob vários aspectos. São casos que demandam o atendimento por equipes médicas multidisciplinares muito bem preparadas e com o auxílio dos melhores recursos tecnológicos disponíveis em medicina.

Um exemplo de tecnologia muito usada em cirurgias de alta complexidade é a laparoscopia, técnica cirúrgica que consiste da insuflação de dióxido de carbono dentro da cavidade abdominal a fim de a expandir e criar um campo de trabalho para se realizar a cirurgia. Uma incisão de 10mm na região umbilical é realizada para a inserção de uma ótica conectada a uma câmera de vídeo. Outras incisões adicionais são realizadas para a introdução dos instrumentos cirúrgicos. O número de incisões depende do tipo de cirurgia proposta e da sua complexidade, mas habitualmente varia de 3 a 5.

Trata-se de uma via de acesso cirúrgica minimamente invasiva que tem os benefícios de menor trauma cirúrgico, menor sangramento intra-operatório, menos dor pós-operatória, diminuição da quantidade de analgésicos após a cirurgia, recuperação pós-operatória mais rápida com retorno precoce às atividades habituais e ao trabalho, e melhor efeito cosmético.

Muitas vezes o atendimento de alta complexidade está relacionado com a ocorrência de emergências. Nessas situações, o atendimento feito de maneira rápida e com precisão pode fazer a diferença entre a vida e a morte. Casos aparentemente simples, como um quadro de apendicite, podem ganhar contornos de complexidade se o paciente também possuir diabetes ou problemas cardíacos, por exemplo.

Normalmente quando pensamos em alta complexidade vem à mente uma situação de emergência e a necessidade de correr para o hospital. No entanto, uma informação é fundamental para entendermos o termo: a alta complexidade não está diretamente relacionada com uma emergência médica.

Cirurgias pré-agendadas, por exemplo, não são emergências, mas podem se tornar procedimentos complexos se o paciente necessitar durante ou após a operação do apoio de equipes multiprofissionais e de alta tecnologia para a resolução do problema.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *